@conecta_news

Mais membros do Partido Conservador britânico retiram apoio a Johnson após festas na pandemia

Três parlamentares do Partido Conservador britânico, que governa o país, retiraram o apoio ao primeiro-ministro Boris Johnson nesta quinta-feira, após um relatório condenatório que detalha uma série de festas regadas a álcool na residência oficial e gabinete de Downing Street que quebravam regras do lockdown imposto para combater a Covid-19.

Um dia após a publicação do relatório, que descreve uma cultura de bebedeiras em Downing Street durante os períodos de lockdown, os parlamentares conservadores John Baron, David Simmonds e Stephen Hammond disseram que não podem mais apoiar o primeiro-ministro.

Suas vozes acrescentam a uma lista cada vez maior de parlamentares conservadores que pediram a renúncia de Johnson por conta do escândalo chamado de “partygate”, apesar dos muitos pedidos de desculpas do primeiro-ministro.

As dissidências, no entanto, não são suficientes para provocar um voto de confiança contra Johnson.

Baron, eleito pela primeira vez em 2001, disse que retirou seu apoio pois acredita que Johnson havia “sabidamente” enganado o Parlamento –uma acusação negada pelo primeiro-ministro, mas que é investigada por um comitê parlamentar.

“Dada a escala de violação de regras em Downing Street, eu não posso aceitar que o primeiro-ministro não estava ciente. Portanto, suas garantias repetidas ao Parlamento de que não houve violação de regras é simplesmente inacreditável”, disse o parlamentar em nota.

Mais de 15 parlamentares conservadores pediram publicamente a renúncia de Johnson desde que as informações sobre as festas que transgrediram o lockdown começaram a aparecer na imprensa. Mas o primeiro-ministro se nega, dizendo que ainda tem trabalho a fazer no governo.

Para provocar uma votação de confiança na liderança de Johnson, 54 parlamentares conservadores precisam escrever cartas solicitando o procedimento ao diretor do Comitê 1922 do partido. Hammond, que é ex-ministro, disse que enviou sua carta.

As cartas são confidenciais, portanto apenas o diretor sabe quantas foram de fato enviadas.

Fonte: Reuters

Compartilhar:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Publicado por:

Últimas Notícias

Fique por dentro

Cadastre-se em nossa Newsletter

Não enviamos spam, apenas informações relevantes.

Leia Mais

Postagens Relacionadas

Lula diz que pretende tornar permanente auxílio de R$ 600

O ex-presidente e pré-candidato ao Palácio do Planalto Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, em entrevista ao jornal Correio Braziliense publicada nesta terça-feira, que pretende tornar permanente o auxílio de 600 reais às famílias de baixa renda. “Eu quero manter. O PT queria que o auxílio fosse de 600 reais já em 2020. Bolsonaro

Congresso aprova R$ 202,5 milhões para recompor despesas de pessoal

O Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei (PLN) 9/22, que abre crédito suplementar de R$ 202,5 milhões no Orçamento da União para recompor despesas primárias obrigatórias de pessoal e encargos de 17 órgãos federais. A proposta segue para sanção presidencial. Os recursos vêm de superávit financeiro apurado no balanço patrimonial de 2021, do cancelamento

PepsiCo diz que salgadinhos e bebidas podem ficar mais caros

A PepsiCo elevou a projeção de receita para 12 meses nesta terça-feira e disse que pode aumentar ainda mais os preços nos próximos meses, com a companhia vendo pouco impacto na demanda por seus refrigerantes e salgadinhos, apesar da inflação mais alta em décadas. Por volta de 11h, as ações da empresa subiam 0,4%, para

Congresso aprova crédito extraordinário de R$ 1,2 bi para Plano Safra 2022/23

O Congresso aprovou nesta terça-feira, 12, a abertura de crédito suplementar de R$ 1,2 bilhão para linhas do Plano Safra 2022/2023 com taxas de juros equalizadas pelo Tesouro. O projeto vai agora para sanção do presidente Jair Bolsonaro. Os recursos para a linhas de crédito do Plano Safra virão da reserva de contingência, que é